sábado, setembro 03, 2005

webquests, pedagogia de projetos e taxonomia de Bloom

Uma interessante questão para debatermos que foi postada numa das listas de discussão de que faço parte. Transcrevo a mensagem omitindo alguns dados para preservar a identidade do autor.

Estou começando a escrever minha monografia de conclusão do curso de pós-graduação em informatica educativa. O tema é "WebQuest e pedagogia de projetos".

Mas existem algumas críticas, a qual queria desenvolver na monografia, que falam que a Webquest não poderia ser uma ferramenta para pedagogia de projeto pois, em sua origem, o professor é que desenvolveria todo o processo de autoração, principalmente o processo de escolha do tema. Na
pedagogia de projeto o aluno teria participação em todo o processo de desenvolvimento do projeto.

Existem críticas, também, sobre a base da Webquest está fundada na Taxonomia de Bloom, o que comprometeria sua inclusão em projetos de trabalho


Que pensam vocês?
* seus comentários neste post serão muito bem vindos.

Technorati Tags: , , , , , , ,

Related Posts by Categories



Widget by Hoctro | Jack Book

2 comentários:

Carmen Barzotto disse...

Realmente, a a idéia da WebQuest está fundada na Taxonomia de Bloom mas isto não significa, necessariamente, que não possa ser utilizada em projetos pedagógicos. Quando ouvi, pela 1ª vez a apresentação de uma atividade proposta via WebQuest achei um absurdo, parecia que estava retornando aos meus primeiros anos de Magistério e a velha forma de trabalhar onde o professor "falava" e o aluno "escutava" e realizava as tarefas, seguindo, passo a passo, o que "ordenava" o "mestre". Mas numa outra oportunidade vi um professor falar e Apresentar uma WebQuest de dar "água na boca" dequalquer educador e não era porque era bom de oratória, mas a proposta de trabalho apresentada era realmente desafiadora, levando o alçuno a buscar, pesquisar, superar desafios, ousar, propor, usar da sua criatividade para resolver probelmas apresentados. E depois, qual é o papel do professor senão propor, orientar, indicar caminhos, dar dicas de bons livros, bons sites onde o conteúdo do tema proposto pode ser encontrado? É isto que o professor faz na WebQuest.
A grande diferença de uma boa WebQuest ou uma WebQuest ruim está na atividade. Ao propor uma atividade, se o professor se perguntar: "O que estou propondo que o aluno desenvolva nesta ativadade é uma atividade real?" Referenciando Blonn, se o verbo utilizado é o que o aluno faz verdadeiramente em sua vida cotidiana,(ler,comparar, julgar, sugerir, opinar, viajar, etc) então esta será uma boa WebQuest mas se na atividade o professor apenas determine que o aluno: sublinhe deterninada palavras, copie, repita um conceito, numa atividade mecânica, então na verdade não faz diferença se ele está utilizando uma WebQuest ou outra forma qualquer de indicar um exercício.

Renato disse...

Não sei se estou "viajando" eheh, mas acredito que nos ambientes a distância, seja e-proinfo, teleduc e outro, o sucesso está no material. Por mais, que pesquisemos ambientes, webquests, pedagogia de projetos acredito realmente na atividade, no proposto. Isso também funciona no ensino presencial, precisamos de um diferencial para tornar a educação mais prazerosa.
Abraços
Renato
CRTE Campo Mourão - PR